Buscar
  • Viviane Shinzato

1- Praticidade e Variedade

A vida americana é muito confortável e prática, é possível encontrar desde comidas rápidas até produtos para lavar a parede. Há uma extensa gama de objetos e aparelhos úteis para tornar a vida mais prática, com opções para todos os estilos, desde quem busca saúde e conexão com a natureza até os apaixonados por tecnologia.


2- Regras claras

Ter regras claras com a sensação de que a lei funciona, não é comum nos padrões brasileiros, já que para tudo tem-se um “jeitinho”. Já nos EUA, as leis funcionam e são de fato aplicadas. Até mesmo na compra de um produto ou serviço, não existe o receio de cancelar um serviço por conta das pegadinhas que estão por trás da empresa. Assim como a lei o ajuda, também pode prejudicá-lo se não se atentar. Uma quebra de contrato, um deslize no trânsito também podem custar caro.

3- Estradas sem buracos

Nos EUA é comum ver trabalhadores fazendo manutenção das estradas e iluminação pública. Parece algo normal, mas chama a atenção de brasileiros que já estão acostumados a passar no mecânico depois de dirigir no escuro e cair em crateras. Ruas e estradas têm o asfalto refeito em prazos predeterminados, o que deixa a impressão de estar tudo sempre novo ou em perfeitas condições

4- Boas escolas públicas

No Brasil, já é conhecido que o sistema de ensino público não é de fato o melhor caminho. Aos que têm condições, a escola particular vira uma saída de custo bem elevado. Nos EUA as escolas públicas são muito boas, e você só precisa morar na zona da escola para poder matricular seu filho. A situação muda um pouco quando falamos sobre universidade, já que as melhores são pagas, e bem pagas!


5- Diversidade

Os Estados Unidos são um verdadeiro “Melting Pot”. São mais de 30 grupos étnicos com mais de 1 milhão de membros. Sendo assim, fica mais fácil se sentir acolhido. Apesar de muitos tentarem a sorte, para ficar nos EUA de forma legal, é muito importante buscar um visto de residência que permita a você e sua família não somente morar, mas também estudar e trabalhar.


6- Segurança e qualidade de vida

Não só para brasileiros como também para diversos cidadãos ao redor do mundo, os EUA são referência no quesito segurança e qualidade de vida. Muitas famílias já criam as crianças com a esperança de um dia poder mandá-las para os EUA e quem sabe assim, escapar de problemas como falta de oportunidades, poucos recursos financeiros e violência.

Não vamos dizer que os EUA seja o paraíso neste aspecto, mas com certeza faz diferença para quem conhece o outro lado saber o que é andar em paz nas ruas, sabendo que você pode andar com fone de ouvido, relógio da Apple e nem por isso vão te assaltar.


7- O idioma

Ir para um país em que todo mundo se comunica primeiramente em inglês e depois em espanhol, já ajuda e muito. Imagina ter que se virar fora de casa falando Russo, por exemplo? Sendo o inglês a língua mais utilizada e a ponte para conversar com pessoas de qualquer nacionalidade, suas dificuldades já serão reduzidas.

Mas, caro leitor, se você planeja sair do país (seja rumo aos EUA ou Japão) e não sabe inglês... certamente pagará muitos micos e passará muitos apertos, desde os mais leves como não conseguir comprar algo, até os mais perigosos como não saber se defender, questionar, reclamar e acabar fazendo bobagem no trabalho por não entender o que disseram.

Problemas sempre vão existir, mas que tal evitar certos riscos e se preparar antes com a língua?


Se você, assim como muitos brasileiros, tem o sonho de morar fora, seja nos EUA ou em outro país. Conte com um dos professores do time Ki-Bird para te ajudar a chegar lá, ou a qualquer outro lugar que você sonhar.

gif


Se você adora ler, veja como isso pode ajudá-lo com o inglês mesmo sendo iniciante.


Em um mundo cada vez mais digital e com conteúdos rápidos e visuais, fica difícil achar tempo para leituras. Cada dia mais nos apresentam uma série imperdível com milhares de episódios e temporadas, um novo serviço de streaming recheado de filmes, entre tantas outras tecnologias que desviam totalmente a nossa concentração.


Mesmo com tantas distrações, ainda é possível - que seja por 20 minutos ao dia - achar um tempo na vida corrida para se dedicar à leitura. Para aqueles que gostam e ainda valorizam boas histórias, seja pelo papel ou pelo digital, aqui vamos dar as dicas de como unir o prazer de ler ao inglês.


Para quem gosta de gibi, o clássico Turma da Mônica foi lançado também em inglês. Podemos encontrar MONICA AND FRIENDS à venda em alguns sites de compra e venda e em bancas de regiões mais centralizadas.

Aos fãs de humor inteligente existem os chamados Comic Strips: quadrinhos de ilustrações - lançados antigamente como tirinhas de jornais - que misturavam comédia e críticas sociais. A depender de sua idade, você deve ter acompanhado alguns como Calvin e Haroldo, Mafalda e Snoopy.


Aos que gostam de entretenimento e conhecimentos gerais, vale procurar por revistas eletrônicas feitas para estudantes de inglês, como Hot Learn English e Just English. Caso não queira investir nos materiais que são vendidos em dólares, vale vasculhar a internet e assim encontrar amostras e conteúdos compartilhados em sites de estudos.


Hoje em dia também ficou mais fácil achar livros em inglês por nível. Os readers que são livros curtos (já pensados em estudos de inglês) englobam grandes clássicos da literatura como Moby Dick, até títulos mais modernos como Piratas do Caribe. As versões vão desde o nível básico até o avançado, e assim você só seleciona o seu estágio nos sites das editoras que os comercializam.

E mesmo que você opte por leituras rápidas no celular, explore apps como VOA English, BBC Learning English, News in levels, e entre outros que oferecem a matéria por escrito e também narrada.


Se você é mais avançado e já tem algum tipo de livro eletrônico ou app para leitura, procure por livros clássicos e que de preferência tenham versões em filmes para complementar a história. Esses e-readers são ótimos para conhecer temas de seu interesse, já que é possível baixar amostras antes de comprar.



As dicas são tantas e é bem fácil a gente se perder neste caminho do aprendizado, por isso é importante ter um mentor que te acompanhe e te auxilie nas escolhas de acordo com o seu nível. Conte com um dos professores da Ki-Bird para te guiar nessa estrada.


  • Kiwi

Viver no exterior, especialmente nos Estados Unidos, é um objetivo de vida para muitos brasileiros, ou até mesmo para muitos cidadãos ao redor do mundo. O sonho do American Way of Life é realmente bastante atraente quando se pensa em conforto, segurança, poder de compra e oportunidades de estudo e trabalho. O que muitos não sabem é que o momento do conforto, da tão esperada mudança de vida, pode ser um pesadelo quando não se fala o idioma.





Ao longo desses anos em contato com o ensino de inglês, nós, da Ki-Bird, já ouvimos diversas histórias de vida, nem sempre felizes, de alunos brasileiros que se aventuraram pelas terras do Tio Sam.


Uma de nossas alunas, que prefere não ser identificada, relatou como foi difícil sua experiência em 2017, quando saiu de sua cidade natal no interior da Bahia e foi para os EUA sem preparo algum para se comunicar em inglês. Hoje, com mais domínio e consciência da importância do idioma, ela nos conta o quanto sofreu para chegar aos lugares - quando pedia informações e as pessoas não tinham paciência com ela; o quanto era difícil uma simples ida ao mercado, sem atendentes brasileiros; a malícia das pessoas que se aproximavam ao ver que estavam diante de uma imigrante que não falava inglês, além de tantos outros detalhes da rotina.



Os perrengues são muitos, e já começam no aeroporto. Para quem não se prepara antes de ir, os riscos de ser detido na imigração são ainda maiores. Rosana (nome fictício) lembra o quão mal tratada foi quando pediram para ver suas bagagens na imigração. “Tive que aguardar pela intérprete que falava Português, e enquanto isso eles faziam as perguntas e eu não sabia responder, e então eles ficavam mais nervosos ainda, eram brutos, reviraram toda minha mala e me tratavam como uma criminosa”.


Rosana viajou para a Flórida por saber que lá, sendo um lugar muito visado por brasileiros e donos de comércio, conseguiria mais oportunidades de emprego. Pois bem, ela realmente conseguiu trabalhos em cafés e restaurantes em que a exigência com o inglês era pouca ou quase nada. Olhando de fora, parece simples: chegar, se hospedar, procurar emprego e aceitar vagas para quem não tem inglês. No entanto, ela conta que chegou a ser reprovada até mesmo em vagas em lanchonetes, já que na época não sabia sequer vocabulários básicos de comida.


Ir ao mercado não é complicado, pois é só pegar as mercadorias e pagar, certo? Nem tanto. “O problema é que às vezes a gente não sabe bem se é aquilo que estamos procurando, e uma vez eu estava sem o celular, que estava em casa carregando, e como eu não sabia o nome dos produtos eu tinha que pedir informações para saber o que ia levar. Nossa, como era horrível, porque não é todo lugar que tem alguém que fale Português ou Espanhol”, relata. Até mesmo na hora de pagar, Rosana diz que é notável a malícia de alguns comerciantes “eles sabem que você é estrangeiro e não fala a língua deles, até troco errado davam”.


Ter um nível de inglês ao menos intermediário antes de se aventurar por terras estrangeiras pode mudar boa parte de histórias como a de nossa aluna e tantos outros brasileiros que sofrem diariamente tentando viver o sonho EUA. Rosana ressalta o quanto o fato de não saber se comunicar fez falta e tirava sua liberdade. “Eu tinha uma amiga brasileira que falava inglês, mas era ruim também porque eu dependia totalmente dela. Não conseguia conversar com ninguém sem pedir ajuda para ela traduzir”. E hoje, com base no que vivenciou, deixa um alerta sobre as ciladas que ninguém imaginaria: “As pessoas se aproveitam de você, e sem saber se defender, você fica vulnerável e acaba se misturando com pessoas erradas, ficando perto daqueles que não tem nada a ver com você, podendo até ser preso por engano”.


Que essas e outras experiências sirvam para conscientizar aqueles que arriscam suas vidas e gastam fortunas para viver o sonho americano de forma despreparada. A Ki-Bird deseja a todos as melhores viagens e histórias de vida. Conte com a gente para se preparar e aproveitar ao máximo suas oportunidades.